>Home >Empresa >Clientes >Fornecedores >Fotos >Video >Contato

Descupinização:

Trabalho Técnico, Ofensivo e inteligente de controle de cupins, tanto de ordens subterrâneos e de madeira seca, que causam grandes prejuízos nas cidades, Existe mais de 2.800 espécies conhecidas de cupins, a maior parte nas regiões tropicais e subtropicais, recebem o nome de térmitas, são insetos que vivem socialmente em colônias extremamente populosas, alimentam-se principalmente de "produtos celulósicos", incluindo-se aí vegetais vivos como mudas de eucalipto, plantas de arroz e toletes, outras espécies  alimentam-se de madeira morta ou serrada, atacando mourões de cerca, móveis, portas, batentes e armários sendo capaz de destruir até concreto e alumínio na busca de celulose. São as mais conhecidas das populações urbanas.

 

Ciclo de vida do cupim

Forma de Organização das castas:

OPERÁRIOS:
 Trabalham cercam 24 horas por dia, não possuem visão, e não se reproduzem,
Vivem perfurando plantas ou madeiras, alimentam os outros membros da comunidades e o casal real.

SOLDADOS:
geneticamente adaptados para defender a colônia dos invasores, eles possuem uma blindagem na cabeça e mandíbulas grandes e fortes.

NINFAS:
 ainda não possuem identidade dentro da colônia, após duas semanas assumem posições nas castas, podendo ser operários ou soldados.



RAINHA e REI:

elementos fundamentas da colônia, são totalmente responsáveis pela reprodução. Possuem asas e órgãos sexuais
. A Rainha vive de 25 a 50 anos, produzindo, a cada ano, milhares de ovos, que ficam incubados por cerca de 14 dias tendo a atenção e os cuidados cupins operários.

 

Controle de Integrado de Cupins:

Inspeção do local;

Identificação do inseto;

Tratamento (técnica a ser adotada);

Selecionar produto;

Profilaxia;

Retirar núcleos/sub-núcleos;

Assistência Técnica (estabelecer cronograma de inspeção pós tratamento).
Conforme solicitação do cliente

Tratamento químico do solo (barreira química), injetando-se inseticidas em orifícios ou aplicando em trincheiras ao longo de toda a edificação, de ambos os lados; utilizar inseticida de ação repelente e longo efeito residual; aplicação de inseticida pó seco nos condutores elétricos; localizar e eliminar os ninhos.
Constroem longas galerias no solo. Pouco se conhece sobre o ninho e sobre a biologia desse grupo. Movimentam-se a longas distâncias e profundidades variáveis no perfil do solo, de acordo com as condições favoráveis de teores de água, de temperatura e de alimento.
Os cupins alimentam-se de produtos celulósicos. A celulose é digerida por protozoários ou bactérias no interior do tubo digestivo do inseto. Os cupins ocupam importante função na reciclagem de nutrientes e na quebra de substratos em partículas menores para a decomposição.

 

Tratamento em madeiramento: Serão feitas furações estratégicas para injeção do inseticida no madeiramento. Após este procedimento, realiza-se uma pulverização externa, criando uma camada de proteção.

Barreira química – será feito nas Paredes de alvenaria ou lajes de concreto são furadas com brocas especificas. A distância entre os furos poderá ser de 30 em 30 cm, com 15 cm distante da parede e 40 cm  de profundidade O inseticida será injetado, impedindo a invasão e circulação dos cupins nas áreas tratadas.

CUPINS DE MADEIRA:

A denominação ‘cupim de madeira seca abrange muitas espécies pertencentes à família Kaloter-mitidae. Esses cupins formam colônias no interior de estruturas e objetos de madeira, para se alimentar da celulose, o principal componente desse material. O aspecto mais interessante é a atração desses insetos justamente por madeira bastante seca, com umidade inferior a 30%, onde cavam galerias e fazem seus ninhos. Esses cupins são lentos, têm o corpo cilíndrico e as pernas relativamente curtas, se comparados aos cupins subterrâneos

 

              Pó decorrente da ação do                                                       Cupins de Madeira Seca
              cupim de madeira seca                                                            (Cryptotermes sp)

Tratamento em madeiramento:

Tratamento das peças atacada com inseticida de ação residual (pulverização, pincelamento ou injeção). É um cupim que encontra-se normalmente restrito à peça atacada. Ele não tem capacidade de passar de uma madeira infestada para outra a não ser que efetivamente exista um ponto de contato entre ambas as madeiras. Nestes casos, a colônia pode se estender e infestar todo o madeiramento em contato.
Assim, o tamanho da colônia é proporcional ao tamanho da peça atacada, já que encontra-se restrito a ela. Por este motivo, os cupins de madeira seca normalmente apresentam colônias pequenas, com cerca de 300 indivíduos a poucos milhares. Uma colônia de cupim de madeira seca pode chegar a ter 3000 indivíduos após 15 anos.

 

MEDIDAS PREVENTIVAS PARA O CONTROLE DE CUPINS (Cryptotermes brevis,
                                                     Coptotermes havilandi

  • Utilizar madeira naturalmente inatacáveis por cupins, tais como: peroba do campo, peroba rosa, jacarandá, pau  ferro, braúna, gonçalo alves, sucupira, copaíba, orelha de moça, roxinho e maçaranduba.
  • Colocar telas com malha de 1,6 mm em portas, janelas, basculantes e outras aberturas para evitar a entrada de cupins, durante as revoadas nupciais.
  • Evitar estocagem inadequada de madeiras e seus derivados, principalmente em locais úmidos.
  • Vistoriar periodicamente, rodapés, forros, armários, estantes, esquadrias e outras estruturas de madeira, a fim de detectar qualquer início de infestação, facilitando o controle.
  • Retirar o madeiramento usado durante as obras imediatamente após o término das mesmas, a fim de evitar possíveis infestações no imóvel.
  • Retirar e destruir madeiras infestadas, preferencialmente, queimando-as em lugares adequados.
  • Em bibliotecas e arquivos, usar, sempre que possível, estantes metálicas.